LASANHA DE BERINJELA

Vinícius Piedade estreia dois espetáculos com o projeto ‘Lasanha de Berinjela’ em agosto

Pais e Filhos (ou Lasanha de Berinjela 1) e Irmãos (ou Lasanha de Berinjela 2) colocam em perspectiva relações familiares em estado de emergência e calamidade pública

Fotos Irmãos (créditos: Tati Wexler)

Fotos Pais e Filhos (créditos: Tati Wexler)

 

Enquanto a lasanha está no forno, as questões são levantadas e colocam nossas vidas em perspectiva. Quando a lasanha começa a queimar e esse cheiro domina o ambiente, a reflexão (no sentido pensamento e no sentido espelho) sobre as relações familiares de hoje e sempre é colocada à mesa. Dia 5 de agosto de 2017 estreia o projeto Lasanha de Berinjela, com dois espetáculos escritos e dirigidos por Vinícius Piedade.

A primeira peça do projeto é ‘PAIS E FILHOS (ou Lasanha de Berinjela 1)’ e traz a tona um diálogo essencial entre pai e filho. O pai advogado, o filho artista plástico. As cobranças paternas, as expectativas dos pais em relação aos filhos e os diálogos ortodoxos entre eles vão se desenrolando a ponto deles decidirem deixar suas construções psicológicas de si de lado em busca de um desnudamento das próprias simbologias para uma tentativa de reconstrução dessa relação previsível e muitas vezes hipócrita. Numa espécie de ensaio teatral do encontro, eles buscam construir a relação de modo a não entrarem em conflito, ficando na linha tênue entre o que é ensaio do encontro e o que é de fato real nesse encontro. Com os atores Evas Carretero e Roberto Borenstein.

‘IRMÃOS (ou Lasanha de Berinjela 2)’, a segunda peça, traz um conflito entre a relação paradoxal de uma dupla de irmãos que perdeu os pais em um acidente de automóvel quando ele era bebê e ela pré-adolescente. Ele hoje é escritor e financeiramente está falido, mas continua tentando viver de literatura, mesmo que financiado pela irmã que apesar de também ser escritora exerce a profissão de professora de português na rede pública de ensino. Ao completar seus 33 anos de idade, ele escreve um livro que pensa que poderá lhe trazer independência financeira e passa a ser sua grande aposta: trata-se da história de uma escritora fracassada e frustrada inspirado justamente na história de sua irmã.

Aos 43 anos de idade ela já planejava parar de sustentar o irmão e tem essa decisão acelerada ao ler o livro que a retrata da pior forma possível. No jantar decisivo a irmã faz o prato preferido do irmão, receita da mãe deles, Lasanha de Berinjela ao Molho Branco. A peça aborda assuntos complexos como o antagonismo entre sonho e vida prática, instabilidade financeira da vida artística e independência familiar sempre traçando a linha tênue que separa a ficção da realidade. Como a atriz diz que o texto da peça foi inspirada em sua vida, o conflito entre ela e o dramaturgo espelha o conflito da peça que encenam, o conflito dos irmãos. O que é ficção e o que é vida real no livro que ele escreveu? E na peça? O que é leitura de realidade e o que é poesia? O que é teatro e o que é depoimento real? Com os atores Marta Caetano e Vinícius Piedade.

A pesquisa dramatúrgica busca desconstruir estereótipos sobre as relações familiares potencializando nuances que possibilitam uma investigação horizontal nessas relações. As máscaras personalistas são colocadas em foco e exibidas como mecanismo de defesa para nos adaptarmos a situações de conflito, sejam elas no âmbito familiar, profissional ou social. Rompimentos familiares como mote essencial e existencial.

O fio condutor das duas peças traz a fronteira entre ficção e realidade que mais do que delimitar diferenças acaba por virar ponte fundamental nas investigações estéticas.

Encenação e concepção
Os espetáculos seguem a linha de pesquisa desenvolvida por Vinícius Piedade que, em sua construção de repertório de espetáculos sem cenário, aposta nos atores e sua máxima potencialidade física e vocal na construção do acontecimento teatral.

Os textos colocam em perspectiva relações familiares em estado de emergência e calamidade pública. Situações limites que conduzem a decisões vitais e atitudes transformadoras. Sendo assim, é nos diálogos que o jogo acontece, se faz e se desfaz.

No caso de Pais e Filhos, os personagens se colocam como atores a representar as próprias vidas ficando para o público uma constante dúvida entre quem diz o texto, os atores ou os personagens. Esse jogo despojado possibilita o atelier do artista virar palco de teatro e o palco do teatro virar atelier num piscar de olhos numa construção / desconstrução / reconstrução de realidades, transitando em diferentes ritmos e intensidades.

No caso de IRMÃOS, os atores se colocam como contadores de histórias, mas colocando-se com suas vidas e escolhas em foco. O jogo com os tempos (passado, presente, futuro) se dá com veemência nessa obra em que o passado se presentifica e o que está acontecendo vira construção / leitura de passado (memória versus esquecimento). Os personagens preparam o ambiente para o encontro decisivo dessa fase de suas vidas e nessa narrativa eles parecem construir os próprios paradoxos antes do mergulho na infindável dialética.

Os atores, ao mesmo tempo em que transitam em diferentes tempos, assumem uma linguagem confessional direta para o espectador até o momento do esperado encontro, onde o diálogo direto se estabelece, mesmo que recheado com quebras surgidas dos apartes dos personagens avaliando as próprias questões (ou dos atores refletindo os personagens).

Lasanha de Berinjela busca inserir o espectador no contexto dialético das histórias como co-autores do acontecimento teatral.

IRMÃOS (ou LASANHA DE BERINJELA 2)

Sinopse
IRMÃOS (ou LASANHA DE BERINJELA 2) é a segunda peça do Projeto “Lasanha de berinjela queimando em fogo baixo”. Na peça, o irmão mais novo escritor tenta a aprovaçao da irmã de um livro seu sobre uma escritora frustrada e fracassada, baseado justamente na vida dela que, paradoxalmente, o sustenta como escritor.

Onde: SP Escola de Teatro – Sede Roosevelt
Praça Roosevelt, 210, metrô República, 3775-8600 | Como chegar?
Quando: De 5 de agosto a 17 de setembro. Sab., 21h; dom., às 20h.
Quanto: R$ 40
Duração: 75 minutos
Classificação: 14 anos
Ficha técnica
Texto, direção e iluminação: Vinícius Piedade
Elenco: Marta Caetano e Vinícius Piedade
Trilha sonora: Manuel Lima
Cenário: Evas Carretero
Figurino Ana Maria Piedade
Fotografia: Tati Wexler
Operador de Luz e Som: André Rodrigues

 

PAIS E FILHOS (ou LASANHA DE BERINJELA 1)

Sinopse
Um artista plástico recebe a visita inesperada de seu pai advogado em seu atelier e ambos tentam ensaiar o melhor modo de efetuar esse reencontro numa espécie de ensaio teatral sobre as próprias vidas ficando na linha tênue entre personagens e atores

Onde: SP Escola de Teatro – Sede Roosevelt
Praça Roosevelt, 210, metrô República, 3775-8600 | Como chegar?
Quando: De 7 de agosto a 25 de setembro. Segundas às 21h
Quanto: R$ 40
Duração: 65 minutos
Classificação: 14 anos

 

Ficha técnica
Texto, direção e iluminação: Vinícius Piedade
Elenco: Evas Carretero e Roberto Borenstein
Trilha sonora: Manuel Lima
Cenário: Evas Carretero
Figurino Ana Maria Piedade
Fotografia: Tati Wexler
Operador de Luz e Som: André Rodrigues